cartao de visita, grafica, impressao online, panfletos

Grafica Online

A Papira nasceu de uma extensa pesquisa de mercado, que avaliou o método de atuação das gráficas onlineno Brasil. Descobrimos que todas as empresas atualmente atuantes no mercado apresentam gravíssimos problemas em seus impressos, sendo que a quase totalidade destes problemas acontecem pela falta de qualidade de seus produtos e/ou atrasos na entrega. Às vezes, ocorrem as duas coisas no mesmo material! Isto acontece porque a maior parte dos sites de e-commerce não possui parque gráfico próprio, sendo obrigados a terceirizar toda a produção com a consequente perda do controle dos processos gráficos que acabam por gerar os graves problemas subsequentes.

Anúncios
Padrão
Sem categoria

Papel Timbrado – Essencial para uma Empresa ou Instituição

A confecção de um logótipo ou de um símbolo visual capaz de representar a assinatura institucional da empresa deve ser estabelecido através de um documento técnico ao qual os designers nomearam de manual da identidade visual. O papel timbrado é considerado um item essencial para a construção da identidade visual de uma empresa ou instituição e, portanto é um dos itens mais importantes destacados no manual de identidade visual corporativo.

Ele geralmente carrega o nome e o endereço da empresa, e um logotipo ou projeto corporativo, e às vezes um fundo. Assim, ele reforça a identidade visual da empresa, e padroniza a documentação da mesma.

Além da identidade visual, o papel timbrado também é pré-requisito para impressão de documentos que representem a oficialmente a empresa como a elaboração de propostas comerciais, impressão de contratos e correspondências destinados a órgãos públicos e privados.

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão
Sem categoria

6 desastres causados por interfaces ruins

Até o dia chegar onde humanos podem controlar as máquinas com suas mentes (ou vice versa), sempre vamos precisar de algum tipo de menu, painel de controle ou algum jeito de interagir com nossas máquinas. E estes controles devem ser claros, simples e de fácil uso. Mas nem sempre é o caso: as vezes a interface pode ser uma droga e gerar resultados incômodos. Mas em vez de fazer a impressora engolir e triturar papel em vez de imprimir, algumas interfaces mal desenhadas podem criar verdadeiros desastres. Vamos a alguns exemplos.

1. USS Vincennes derruba avião por causa de um mal cursor

Perto do final da guerra Irã – Iraque em 1988, os Estados Unidos e Irã estavam tendo uma pequena guerra não-declarada entre si, possivelmente apenas para deixar o Iraque com ciúmes. O evento mais trágico desta batalha aconteceu quando o navio de guerra americano USS Vincennes estava no meio de um confronto com uma canhoneira iraniana no Golfo Persa e sem querer atirou contra um avião civil depois de confundí-lo com uma aeronave em modo de ataque.

Se você está se perguntando por que o radar deles não tinha um sistema para separar aviões amigos de inimigos, bom…

A burrada

Na verdade, estava equipado com aquilo sim – o problema é que era uma droga.

Você já jogou um jogo de estratégia no computador? Tipo StarCraft ou Red Alert? Nesses jogos, você possui um ícone de pequeno tanque ou robô na sua tela e você precisa clicar com o mouse para selecioná-lo. A partir dali, você pode controlar sua unidade ou saber mais sobre ela (quanto de vida ainda possui, etc).

Infelizmente, o sistema da marinha americana não era tão sofisticado assim.

A tela mostrava ao operador quais objetos eram detectados pelo radar, e se ele clicasse no objeto o sistema iria seguir o dito cujo. Mas se o operador quisesse saber mais informações sobre o objeto afim de descobrir o que este objeto realmente era, ele tinha que mover um cursor diferente e clicar no objeto novamente.

É um método desajeitado e desintuitivo (não-intuitivo?), e era muito fácil esquecer o que eles estavam selecionado em um determinado momento – o operador podia estar seguindo um objeto mas mostrando as informações de um outro simplesmente por que ele esqueceu de mover o outro cursor. É o tipo de interface que não iria sair da fase de testes de qualquer jogo gratuíto via navegador e foi o que custou a vida de todos aqueles passageiros a bordo.

O operador do USS Vincennes achou que ele estava escutando um avião inimigo se aproximando (o Airbus cheio de pessoas inocentes) por que este era o objeto que ele tinha selecionado para seguir, no entanto o objeto do qual ele estava recebendo informações era de um F-14 hostil a várias milhas de distância, pois o cursor de informações estava nele.

Problema na interface

Tudo bem que a transmissão sozinha não seria motivo o suficiente para atirar contra o avião: eles também teriam que pensar que o objeto estaria voando como uma aeronave inimiga. Infelizmente, o sistema porco conseguia cometer esse erro também. Em vez de informar aos operadores do Vincennes se o avião se aproximando estava subindo ou descendo, o sistema apenas mostrava a altitude atual num monitor menor. O operador tinha que escrever a altitude (ou memorizá-la), esperar alguns segundos e depois verificar novamente para comparar os dois resultados para saber se o avião estava subindo ou descendo.

Por causa disto, um erro no cálculo levou ao operador informar que o Airbus estava descendo em direção ao navio, como uma aeronave de combate faria, quando possivelmente o avião estava apenas tentando sair de lá o quanto antes.

2. Three Mile Island aconteceu por causa de uma luz no console

Three Mile Island é a localização de uma central nuclear nos Estados Unidos que em 1979 sofreu uma fusão parcial, havendo vazamento de radioatividade para a atmosfera.

O acidente aconteceu quando o líquido refrigerante do reator nuclear escapou por que uma válvula estava presa na posição aberta. Por que eles não fecharam a válvua manualmente? Bom…

A burrada

Tudo isto aconteceu por causa de uma maldita luz. O painel de controle na usina de Three Mile Island tinha uma luz mostrando o estado da válvula de alívio que previne o reator de superaquecer. Luz ligada, válvula aberta; luz desligada, válvula fechada. Não é diferente de qualquer aparelho eletrônico que tem uma luz indicando se ele está ligado ou não, a única diferença sendo que estes aparelhos não correm o risco de deixar uma cidade inteira inóspita por toda a eternidade.

Você acharia que na usina nuclear não seria muito diferente – basta existir um sensor que detecta quando a válvula está fechada, e quando não está, uma luz liga. Simples!

Ou não.

Um fato que não era conhecido pelos funcionários é que, seja lá quem criou o painel de controle, programou para que a luz ligasse assim que o computador enviasse o sinal para fechar a válvula – algo que é completamente diferente de quando a válvula é de fato fechada.

É uma diferença gigantesca, ainda mais quando o objetivo de um painel de controle é de te avisar quando algo deu errado. Então se, por exemplo, uma válvula ficasse presa na posição aberta, não adianta muito se o console dar de ombros e dizer “Meh, falei pra válvula fechar. Não me culpe”. No final, os funcionários não notaram que a válvula tinha emperrado antes de fechar e a mesma ficou aberta por um período perigosamente longo, resultando num superaquecimento e produção excessiva de gases radioativos xenon-135 e krypton-85.

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão
cartao de visita, grafica, impressao online, panfletos

Resolução

A resolução é a medida do detalhe de uma imagem que um dispositivo pode capturar ou reproduzir.

PPI
É a abreviatura de ‘pixels per inch’ (pixeis por polegada). Refere-se à resolução da imagem digitalizada. só no ecrã é que temos pixeis.

O que é um Pixel?
O pixel é a abreviatura para ‘picture element’ (elemento de uma imagem). É o mais pequeno elemento de uma imagem digital e contém informação acerca da luminosidade e cor. Quanto mais pixeis uma imagem tiver melhor é a sua resolução e qualidade.

DPI
É a abreviatura de ‘dots per inch’ (pontos por polegada). É usada como unidade de medida na impressão para descrever a resolução geométrica de uma imagem. Quanto mais elevado é o DPI melhor é a resolução da imagem e a sua qualidade.
O DPI descreve a capacidade de resolução de saída de uma impressora, filmadora ou CTP

LPI
É a abreviatura de ‘lines per inch’ (linhas por polegada). Consiste no número de pontos por linha de impressão, em teoria, quanto mais linhas tivermos na imagem, menores os pontos e maior a sua definição. Nos processos de impressão, a lineatura depende da processo de impressão e também das características do papel utilizado. Actualmente trabalha-se com impressões que variam de 60 lpi no caso de impressão em jornal a 200 lpi ou mais para impressões de alta qualidade.

Tabela de lineatura para Impressão
N.º de linhas por polegada
Impressão
Tipos de Suportes
10 LPI
Outdoor e Offset
Monolúcido 75-85 g/m2
65 LPI
Tipografia e Offset
Jornal, bufon com superfícies ásperas
75 LPI
Tipografia
Acetinados de 2ª classe e cartolinas
85 LPI
Tipografia
Acetinados de 1ª classe, ilustração de 2ª classe, jornal e cartolinas
100 LPI
Tipografia
Ilustração de 1ª classe, couchés ligeiros, kraft.
120 LPI
Tipografia e Offset
Cartolinas duplex
133 LPI
Offset
Papéis não revestidos, tipo IOR, CLA, kraft, fine papers, etc.
150 LPI
Offset
Suportes finos para trabalhos delicados em papéis revestidos (Couchés)
175 LPI
Offset
Pápeis de qualidade superior para trabalhos com extrema riqueza de detalhes.

Os DPI (pontos por polegada) também são responsáveis pela resolução máxima das filmadoras, pois irão influenciar a quantidade dos níveis de cinza que serão reproduzidos:

(DPI / LPI)² + 1 = tons de cinza

Exemplo:
(1200 dpi / 110 lpi)² + 1 = 120 tons de cinza
(2400 dpi / 150 lpi)² + 1 = 257 tons de cinza

NOTA:
A quantidade ideal de tons necessários num fotolito de 150 lpi para se obter boa qualidade gráfica é de 200 tons ou mais.
A quantidade ideal de tons necessários num fotolito de 110 lpi  para jornal é acima de 120 tons.

Determinar a Resolução de uma imagem

Para determinar a resolução de uma imagem, a indústria gráfica adoptou a seguinte regra básica: 2 pixeis por ponto de trama no tamanho final fornecem o grau de detalhe necessário para reprodução.

A cada unidade de lpi deverão corresponder 2 pixeis de imagem:

– Se pretendermos utilizar uma lineatura de 150 lpi (impressão offset em papéis couché), a resolução ideal para imagens em quadricromia é de 300 ppi (150 lpi x 2 pixeis).
– Se pretendermos utilizar uma lineatura de 133 lpi (impressão offset em papéis não revestidos), deveremos digitalizar uma imagem a cores a 266 ppi (133 lpi x 2 pixeis).

Textos e imagens a traço
A medida em PPI (pixeis por polegada) determina a resolução atingível e o detalhe de textos/traços.
1200 ppi são suficientes para obter textos e traços perfeitos com máxima qualidade. Acima de 1200 ppi não são perceptíveis os ganhos em definição.

Alguns termos usados em Pré-Impressão:

 

Fidelidade de cores
Nenhum sistema de reprodução de cores alcança o espectro de cores da natureza:
– O olho humano vê biliões de cores;
– O écrã de um computador atinge os 16 milhões;
– O filme fotográfico atinge de 10 a 15 milhões;
– O impresso não ultrapassa 6 mil cores. Essa limitação do “range” de cores (chamada também de “color gamut”) do processo de impressão é o que impede a reprodução perfeita das imagens coloridas.

 

RGB e CMYK
RGB (R = Red; G = Green; e B = Blue): são as cores aditivas primárias usadas pelos monitores. Para a reprodução offset ou digital, as cores RGB devem ser transformadas em CMYK (C = Cyan; M = Magenta;Y = Yellow; e K = Black), que são cores subtrativas primárias, usadas no processo de impressão. Quando misturadas, elas reproduzem limitadamente o espectro de cores da natureza.

 
UCR
O UCR (Under Color Removal) é uma técnica usada em programas de retoque de imagem que reduz a quantidade de magenta, amarelo e cião em áreas neutras, substituindo-as por uma apropriada quantidade de preto.

​ 

OPI
O sistema OPI (Open Prepress Interface) é um processo que dá agilidade ao trabalho. As imagens são digitalizadas e os ficheiros são guardados numa pasta criada para depósito das imagens em alta resolução, que ao serem aí colocadas geram novos ficheiros em baixa resolução que vão para dentro de uma pasta de depósito das imagens em baixa resolução. Esta duplicação de imagens servirá para que as imagens possam ser trabalhadas na fotocomposição de forma mais célere e sem ocuparem demasiado espaço no computador. Depois da paginação concluída, as imagens em baixa resolução, posicionadas nas páginas, são substituídas automaticamente pelas imagens em alta na altura do processamento final do trabalho na filmadora ou CTP (Computer-to-Plate).
Actualmente com as capacidades dos novos equipamentos informáticos, já não existe tanta necessidade de recorrer a este sistema. Antigamente é que era bastante usado pelas dificuldades em trabalhar em equipamentos de fraca capacidade.

Imposição de Páginas
Impôr significa montar as páginas em cadernos de impressão. Actualmente a imposição faz-se de forma electrónica, gerando o esquema de montagem para o trabalho em questão. A conferência é feita através de uma prova em plotter (ozalide digital) e após a aprovação é executada a saída do trabalho em fotolito (CTF) ou chapa (CTP).

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão
Sem categoria

O que fazer quando o celular é molhado?

Quando o celular é molhado, não é o fim do mundo: há soluções. Há muitas situações em que você pode acabar molhando seu celular. Pode ser que o aparelho caia do seu bolso na privada, você se molhe em uma tempestade ou entre na piscina com ele.

Mas isso não é o fim do mundo (nem de suas fotos, arquivos, vídeos e agenda de contatos), ainda que especialistas considerem improvável que o celular volte a funcionar plenamente.

Vale dizer que é possível prevenir que o contato com água danifique o celular – por exemplo, colocando o aparelho em uma bolsa plástica ou passando nele um material conhecido como Liquipel, que torna o telefone resistente a água.

Mas, se você não tomou essas precauções, seguem algumas ideias sobre o que fazer quando o celular é molhado:

1. Tire-o da água o mais rápido possível

Especialistas recomendam aplicar essas dicas também aos tablets. Esse é o primeiro impulso de qualquer dono de celular – e é preciso segui-lo. Também é preciso secar o aparelho com o que estiver à mão: papel, toalha, camiseta ou pano.

2. Não religue o aparelho

Esse é o segundo impulso mais comum nessa hora, mas é preciso ter cuidado. Se o celular desligou, o pior que se pode fazer é religá-lo, pois isso pode gerar um curto-circuito. Caso o celular não tenha desligado, faça isso.

3. Tire a bateria e o cartão SIM

Para evitar que os circuitos elétricos do aparelho entrem em funcionamento é bom retirar sua bateria (e qualquer capa de proteção que esteja no celular). Uma vez feito isso, seque seu interior com um guardanapo com muito cuidado.

Há celulares que não permitem que o usuário retire sua bateria, como alguns modelos da Nokia e o iPhone. Nesse caso, desligá-los é suficiente. Também é recomendável tirar o cartão SIM e secá-lo.

4. Retire a água

Sem usar agressividade demais, é uma boa ideia tirar a água do aparelho batendo-o de leve contra uma superfície. Também vale assoprar e puxar as gotas de água que se encontram em seu interior com um aspirador. Feito isso, há algumas opções sobre o que fazer em seguida.

5. Coloque o aparelho no arroz

É recomendado colocar o celular em um pote com arroz. Coloque o celular em um recipiente seco, que pode ser um pote de vidro ou de plástico e cubra o aparelho com arroz cru.

Feche o pote e o coloque em um lugar seco, onde bata um pouco de sol. Depois de 24 horas, retire o celular do pote e tente ligá-lo. Essa técnica foi aprovada em muitos testes que podem ser conferidos na internet – e a lógica por trás dela é que o arroz absorve a umidade que ficou no aparelho.

6. Coloque-o sob o sol

Se não tiver arroz à mão, outra opção é colocar o celular sob o sol, sobre um guardanapo. Não deixe o aparelho assim por muito tempo, porque isso pode gerar um superaquecimento e danificar a tela. Para evitar esse problema, use também um ventilador para ajudar a secá-lo.

7. Use outro produto que absorve umidade

Alguns blogs recomendam usar outros produtos no lugar do arroz para absorver a umidade do aparelho. Entre eles, cuscuz, pacotes de gel de sílica e areia usada nas caixas de fezes para gatos (limpa, é claro). Areia de caixa de gatos é um material útil nestes casos Quando achar que a umidade já foi suficientemente absorvida, tente religar o aparelho.

Pode não funcionar: isso depende de quanto o celular é molhado, e acima de tudo, de quais chips e circuitos dentro do aparelho foram afetados. Não se trata de uma ciência exata, mas de um último recurso para salvar o telefone. Mas, ao menos, você tentou.

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão
Sem categoria

Mercado de tecnologia deve crescer 5% no Brasil em 2015, diz IDC

As indústrias de tecnologia da informação e de telecomunicações devem crescer 5 por cento neste ano, movimentando 165,6 bilhões de dólares no país, previu nesta sexta-feira a consultoria especializada IDC Brasil.

A consultoria não informou os dados fechados de 2014.

De acordo com a IDC, resultado será afetado pelo câmbio. “O mercado de telecom continuará em alta e ainda será quase 80 por cento maior que o mercado de TI no Brasil, atingindo 104 bilhões de dólares de receitas”, disse João Bruder, gerente de pesquisas de telecomunicações do IDC Brasil.

Segundo a projeção, a demanda por 4G deve subir, superando os 11 milhões de usuários até o fim do ano. De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de agosto, o 4G somava 4,16 milhões de usuários.

A receita com dados móveis, impulsionada por aplicações e pagamentos móveis, crescerá 16,2 por cento, compensando a queda de 1,7 por cento com serviços de voz fixa.

Para o consumidor final, os dispositivos móveis continuarão em alta, segundo a consultoria. De acordo com Reinaldo Sakis, gerente de pesquisas da IDC Brasil, o varejo seguirá como o principal canal de vendas dessa categoria de produtos, com destaque para as lojas específicas de smartphones.

O volume de vendas de computadores, tablets e smartphones, somados, representarão aproximadamente 27,5 bilhões de dólares. A consultoria prevê que nova tendência neste segmento para 2015 serão os produtos vestíveis, que deverão se difundir no país, com início de importação e produção em grande escala.

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão
Sem categoria

Experiências Visuais do Illustrator

domingo-4
domingo-2
domingo-1
domingo-3
Artista e ilustrador em Nova York Christoph Niemann vê o mundo um pouco diferente. Você pode reconhecer suas artes para a revista The New Yorker, Atlantic Monthly, The New York Times Magazine, ou talvez um de seus Doodles do Google ou até mesmo o seu projeto I LEGO NY.
Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.
Padrão
Sem categoria

Semáforo sonoro para deficientes visuais

Nas ruas de Milão os semáforos contam com uma caixinha como esta. Quando um deficiente visual precisa atravessar a rua, ele passa seu cartão de identificação pela engenhoca que faz com que o farol emita um sinais sonoros avisando quando ele deve atravessar.

Meu nome é Augusto Kruger, sou diretor de marketing e apaixonado por tecnologia e artes gráficas. Eu trabalho na Papira como Diretor de Marketing e arte finalista. Aqui vou tentar trazer um conteúdo interessante, com coisas que eu gosto e que significam algo para mim e para as pessoas que eu conheço.

Padrão